História de cangaceiro gay já foi narrada em 1956 em ‘Grande Sertão: Veredas’, de Guimarães Rosa

O apresentador Ratinho (SBT), entrou em sua conta de Instagram para lamentar a existência de personagens gays em várias obras da Rede Globo. “A Globo colocou viado até em filme de cangaceiro… naquele tempo não tinha viado não”, se referindo ao seriado Entre Irmãs (o ator Fábio Lago está aparecendo em duas atrações em sequência na Globo, primeiro, como o cabeleireiro gay Nicácio, da novela das nove em O Outro Lado do Paraíso, depois como o cangaceiro Orelha, na minissérie Entre Irmãs).

Cabe lembrar Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa, escrito em 1956. A história gira em torno do jagunço Riobaldo, também conhecido como Tatarana, que se apaixona por Reinaldo (apelido Diadorim, homem trans), um também jagunço com quem Riobaldo estabelece uma relação diferenciada, que se coloca nos limites entre a amizade e o relacionamento afetivo de um casal gay.

Pensado inicialmente como uma das novelas do livro Corpo de Baile, lançado nesse mesmo ano de 1956, cresceu, ganhou autonomia e tornou-se um dos mais importantes livros da literatura brasileira e da literatura lusófona. Em maio de 2002, o Clube do Livro da Noruega, entidade que congrega editores noruegueses, incluiu Grande Sertão: Veredas em sua lista dos cem melhores livros de todos os tempos – único brasileiro entre 100 escritores de 54 países.

A grandiosidade de Grande Sertão: Veredas pode ser exemplificada pelas interpretações, que a abordam sob os mais variados pontos de vista, sem jamais deixar de ressaltar a capacidade e a confiança do autor ao ser inventivo. Extremamente erudito, Rosa incorporou em sua obra aspectos das mais diferentes culturas. Disse uma vez que “para estas duas vidas [viver e escrever], um léxico só não é suficiente”.

Grande Sertão: Veredas também já foi feita minissérie produzida pela Rede Globo e exibida entre 18 de novembro a 20 de dezembro de 1985, integrando as comemorações do aniversário de vinte anos da emissora.

cangaceiro gay
Cena da minissérie da Globo “Grande Sertão: Veredas”, de 1985

Curioso que a reprise da minissérie também está no ar, no Canal Viva, da emissora Globo. É, Ratinho, tá tendo mais cangaceiros gays, presta mais a atenção na concorrência.

Ps: o apresentador Ratinho tentou amenizar a polêmica dizendo que “não tem nada contra gays, até trabalha com eles”.

Anúncios