Os cartazes de propaganda soviéticos-chineses parecem a história de um lindo casal gay interracial

Um lindo enredo a partir de pôsteres soviéticos-chineses é possível narrar uma linda história de um casal gay interracial

A dica veio do leitor Henrique Cabral. Um post no Facebook de Lara Labour compila uma sequência de pôsteres de propagandas soviéticos-chineses que, na sequência, “parecem a história de um lindo casal gay interracial que se conheceu numa metalúrgica e se casaram e tiveram lindas crianças e uma fazenda”.

Post original no Facebook
Post original no Facebook

Agora os pôsteres individualmente:

Querido diário. Hoje conheci um boy magia no job
Querido diário. Hoje conheci um boy magia no job
Querido diário. Hoje conheci um boy magia no job
Casamos. Ainda bem que um é ativo e outro é passivo
Compraram uma fazenda na Itália com vários pés de pêssego para fazer igual ao filme "CallMeByYourName"
Compraram uma fazenda na Itália com vários pés de pêssego para fazer igual ao filme “Call Me By Your Name”
A justiça do meu país permite adoção de crianças e logo adotamos duas
A justiça do meu país permite adoção de crianças e logo adotamos duas
sociéticos-chineses
O amor sempre vence

Nos últimos tempos, os cartazes de propaganda política e comercial do período soviético têm suscitado um grande interesse: são publicadas muitas edições ilustradas e realizadas exposições temáticas.

“Os cartazes podem ser vistos de duas perspectivas: por um lado, são uma obra de arte de ateliê, o resultado do trabalho criativo do artista.”, diz o site Sputnik News. “É curioso que estes cartazes eram pouco conhecidos, mesmo nos tempos soviéticos, dos habitantes de Moscou e de Leningrado”, explicou à Voz da Rússia a comissária da exposição Maria Filatova. “Aquilo que se fazia na Ásia Central ou no Cáucaso, ficava por lá. Eles são muito mais invulgares que os que nós víamos por cá. Lá eram frequentemente encarregados de os criar, em vez dos desenhadores de cartazes profissionais, pintores ou designers gráficos que viam o tema de uma forma própria e que o entendiam à sua maneira”.

É precisamente essa forma própria de ver o tema e a busca de meios pictóricos tradicionais que distingue os cartazes do Oriente Soviético. Se o cartaz político russo dos anos 20 é, sobretudo, o vanguardismo, o construtivismo, já no Oriente os elementos do vanguardismo são conjugados com miniaturas refinadas e com a arte popular.

“Os cartazes eram publicados em grandes tiragens, dos 500 aos 40 mil exemplares, e aí reside o paradoxo: aquilo que foi impresso em larga escala, hoje são documentos que quase não sobreviveram”, diz Maria Filatova. “Muitos cartazes eram colados por cima de outros ou desapareciam completamente, e aquilo que estava permanentemente diante dos nossos olhos hoje são documentos importantíssimos de uma época, uma fonte interessantíssima da qual nós recolhemos muita informação. Talvez essa informação nem sempre seja verdadeira, mas, no entanto, nós podemos ter alguma ideia de como viviam e pensavam os povos do Oriente Soviético.” (Com infomações do Sputnik News)

Anúncios