Passageiro ‘passa cheque’ em braço de poltrona de ônibus de São Gonçalo (RJ)

Mesmo se tivesse feito a chuca antes de pegar o busão, praticar ato obsceno com em lugares públicos é crime, passando cheque ou não, com pena prevista de três meses a um ano de detenção, ou multa.

O sexo anal é uma prática que costuma ser altamente prazerosa, segundo dizem, mas mesmo assim muitas pessoas ainda não experimentaram alegando medo de sentir dor ou para evitar momentos embaraçosos (‘passar um cheque’ ou ‘fazer um Chokito’) que podem acontecer e arruinar o momento. Explorar a masturbação anal sozinho é uma saída para ter segurança na cama.

Neste domingo fomos informados que alguém usou o braço da poltrona de um ônibus de São Gonçalo para fazer as vezes de um consolo. A denúncia foi feita pela página ‘São Gonçalo Vai Mudar‘, onde mostra duas fotos com o feito.

cheque
Pedimos a gentileza de não usar o assento de braço do busão como vibrador

Pelo diâmetro do braço da poltrona e pelo alcance da nena no objeto, dificilmente foi feito por um passageiro com o ânus virgem. A menos que o ônibus tenha freado bruscamente. Seria o cobrador tão irresistível para o tesão bater assim? Também fica a pergunta: será que o passageiro chegou a gozar? Não temos imagens do chão do ônibus para conferir. Estaria a estrada cheia de buracos para o braço da poltrona ficar vibrando? Muito ainda tem que ser explicado.

Apenas para lembrar que fazer a chuca não seria uma solução. No artigo 233 do Código Penal Brasileiro, praticar ato obsceno – o que inclui sexo e masturbação – em lugares públicos e ônibus de São Gonçalo é crime, com pena prevista de três meses a um ano de detenção, ou multa.

VEJA TAMBÉM: Calendário de padres do Vaticano

Anúncios