Organização oferece ajuda por meio do Whatsapp para esclarecer dúvidas sobre HIV

orientações e informações que tratam sobre questões de saúde e de cidadania para pessoas com o vírus do HIV ou soropositivas pelo WhatsApp

Uma organização não-governamental tem oferecido um serviço inovador: orientações e informações que tratam sobre questões de saúde e de cidadania para pessoas com o vírus do HIV ou soropositivas pelo WhatsApp. O serviço, denominado de “Plurais”, é gratuito e atende a comunidade LGBT – principalmente os transexuais.

Segundo o coordenador do projeto, Welton Trindade, 38 anos, a iniciativa surgiu a partir do compilado de informações à comunidade LGBT feita pelo Ministério da Saúde. “Segue um modelo clássico de ter uma sede para as pessoas se deslocarem para receber informações, que muitas vezes são simples de responderem. Assim, as pessoas teriam dificuldades para chegar e o objetivo de disseminar a informação não seria alcançado”, afirma.

Para Trindade, esse é um exemplo de que a tecnologia pode facilitar questões de saúde, prevenção e cuidado. “O WhatsApp é um aplicativo popular. Hoje as pessoas têm planos de dados de internet e Brasília possui Wi-Fi em pontos comunitários. Então, de todo os meios, é o mais fácil. Por exemplo, se fosse por telefone, alguém poderia ligar e estar ocupado. Com o WhatsApp, no entanto, a pessoa envia a demanda e se o atendente estiver ocupado ele responde assim que for possível”, aponta o coordenador do projeto.

O intuito do Plurais nunca foi de dar diagnósticos de doenças sexualmente transmissíveis. “Tentamos identificar qual doença pode ser. Pode ser algo, mas pode não ser nada. Damos um alerta, mas precisa passar por um médico. Depois encaminhamos para um serviço de saúde, questionamos onde a pessoas mora e indicamos uma unidade de saúde mais próxima”, conta Trindade.

Atualmente, as principais dúvidas recebidas são em relação à profilaxia de pré-exposição (Prep) – medidas adotadas antes da relação sexual. “Brasília iniciou agora, em dezembro, o serviço da Prep. É um comprimido que evita a transmissão do HIV”, relata o coordenador. O público que mais envia questionamentos são os transexuais. “Mas tiramos dúvidas de questões de cidadania e assistência social também. Por exemplo, a pessoa com HIV tem acesso ao passe livre, muitos questionam sobre a aposentadoria. Então damos informações sobre benefícios sociais”, conclui Trindade.

Quem quiser enviar alguma dúvida, questionamento, ou solicitar informações sobre questões de saúde ou de assistência social à comunidade LGBT soropositiva, basta enviar uma mensagem para o número: 61 99371-4879.

Leia também: Primeiro estudo sobre vacina contra HIV já está sendo iniciado

Com informações de Jornal de Brasília

Anúncios