‘All Male, All Nude’ documenta a vida dos strippers do club gay Swinging Richards

Entrevista com o diretor Gerald McCullouch, do documentário "All Male, All Nude", que retrata o mundo dos strip clubs masculinos

O cineasta Gerald McCullouch acaba de lançar o seu primeiro documentário All Male, All Nude, que faz uma imersão na vida dos homens que trabalham no clube Swinging Richards, em Atlanta – o único clube de strip masculino e gay dos Estados Unidos.

Pôster de "All Male, All Nude"
Pôster de “All Male, All Nude”

Ao GayStarNews, Gerarld concedeu uma entrevista:

O que te motivou a contar a história dos strippers?
No momento em que entrei nesse clube, fiquei completamente intrigado. Eu não fazia ideia que pudesse existir um lugar assim nos EUA, muito menos no coração em uma cidade tão religiosa. Na primeira noite que fui conheci Steven, um dos dançarinos que eu caracterizo no filme. À medida que minha amizade com Steven se desenvolveu, ganhei mais acesso e visão sobre o clube e a unidade familiar única que este engendra. Eu estava procurando um projeto isso veio de encontro com os meus interesses.

Qual processo você seguiu para encontrar sua narrativa para o filme?
Eu basicamente assisti as 20 horas de filmagem uma e outra vez por anos, para encontrar a narrativa e escolher quais dançarinos iriam guiar a história e qual seria o enredo. A franquia BearCity entrou na minha vida enquanto eu estava viajando para Atlanta filmando conteúdo e passando tempo com os dançarinos. Pouco depois do primeiro filme da BearCity, fui trabalhar na produção do palco de Daddy, em NYC. Esses dois projetos me mantiveram ocupado durante seis anos, então All Male, All Nude estava continuamente sendo trabalhado durante esse tempo.

All Male All Nudes
Teaser

Quais foram alguns dos desafios inesperados que você encontrou para fazer um documentário?
No cinema independente, encontrar financiamento é sempre o desafio. Sempre. E é uma merda. O design de som e a música provavelmente foram o desafio mais inesperado com esse filme. Não havia nenhuma maneira no mundo de pagar os direitos autorais da trilha sonora, até porque os caras sempre dançavam ao som de uma música, obviamente.

Quais foram os desafios que você enfrentou para capturar as cenas no clube?
Havia limitações colocadas para mim pela administração do clube, então eu tinha que encontrar maneiras criativas em torno disso e, obviamente, a clientela não queria aparecer no documentário enquanto estavam tentando se divertir. Não pude mostrar o rosto das pessoas. Nem todos os dançarinos também quiseram aparecer, então eu estava limitado a somente alguns strippers. Além disso, todo o processo foi apenas entre mim e uma câmera. Não poderia ter uma equipe.

O que você aprendeu om os dançarinos de Swinging Richards?
Eu certamente entrei nesse mundo com muitos preconceitos sobre o clube, os dançarinos e a história que eu poderia contar. A relação simbiótica que muitos dos dançarinos têm com seus clientes regulares foi muito única. A abertura entre tantos dançarinos que se identificam diretamente com seus clientes gays foi inesperada e bastante sexy. Existe uma co-dependência de ambas as partes que engendra um relacionamento surpreendentemente atencioso.

All Male
Cena do documentário

O que o público tem achado do filme?
O filme está disponível em streaming há alguns meses, e a resposta foi excelente. O site recebeu mais tráfego do que eu esperava e as pessoas parecem realmente gostar do filme. 

O que o público supostamente deve sentir ao assistir o documentário?
Espero que o filme desafie os preconceitos das pessoas e eles sejam sugados na jornada do filme. Semelhante aos meus outros filmes, tem um terceiro ato inesperado. “All Male, All Nude” é uma celebração da sexualidade masculina. 

Assista ao teaser:

Breaking Glass lançará o documentário All Male, All Nude em DVD em 5 de dezembro de 2017. No DVD ainda haverá como bônus um curta-metragem não censurado e uma performance de strip erótico. O filme também estará disponível nas seguintes plataformas: iTunes, Amazon Instant, Google Play, PlayStation, Vudu, Fandango.

Leia também: Demi Lovato confirma bissexualidade em documentário

Anúncios