Sesc Pompeia (SP) terá drag queens em disputas de desfile, voguing e lip sync!

Experimento cênico, dirigido por Leonardo Moreira e com participação de Aretha Sadick e Danna Lisboa, faz parte do projeto ‘Cinema Falado’

Shade! Strike a pose! Category is…Xtravaganza! Apesar de populares em tempos de RuPaul’s Drag Race, Academia de Drags e outros reality shows que evidenciam o universo de drag queens no século XXI, todos esses termos do pajubá são referências ao documentário ‘Paris is Burning’ (Estados Unidos, 1990), que será exibido pelo Sesc Pompeia no final deste mês (dias 29 e 30 de setembro e 1º de outubro).

A programação faz parte da quinta edição do projeto Cinema Falado, abrigado pela unidade desde julho do ano passado, que consiste em trazer, por meio de experimentos cênicos, minicursos e bate-papos, uma investigação do papel da fala (ou da falta dela) no cinema e sua função na contextualização de um enredo fílmico.

Desde sua primeira edição, o Cinema Falado trouxe, ao palco do Teatro, encenação e música ao vivo com projeção simultânea de títulos como ‘Hiroshima meu Amor’ (França, 1959), ‘Bodas de Sangue’ (Espanha, 1981), o mudo ‘Fragmentos da Vida’ (Brasil, 1929), e os dois primeiros filmes feministas da história, ‘Os Resultados do Feminismo’ (França, 1906) e ‘A Sorridente Madame Beudet’ (França, 1923).

Desta vez, o experimento cênico ‘Paris is Burning ao vivo’ propõe um duelo entre as personagens documentadas pelo filme e um grupo que traz performers LGBTsdrag queens da cidade de São Paulo, por meio de disputas de desfile, voguing e lip sync, por exemplo. Considerado um marco na filmografia da cultura LGBT, ‘Paris is Burning’ abre discussões sobre temas raciais, étnicos e de classe, além de sexualidade.

Ainda investigando a linguagem e as temáticas queer no cinema, o Sesc Pompeia recebe o bate-papo ‘O Discurso Queer no Cinema Brasileiro’ (30/9), que traz um diálogo sobre as diferentes formas e caminhos do discurso e posicionamento político sobre identidades sexuais, temática queer e sexualidade no cinema nacional; e o minicurso “Personagem Homossexual, Transexual e Queer no Cinema Brasileiro’ (3/10 a 6/10), ministrado pelo pesquisador e crítico Mateus Nagime.

Foto: reprodução Youtube

Paris is Burning ao vivo 
O premiado documentário explora a cena dos ballrooms de New York na segunda metade dos anos 1980. Criada pela população LGBT de origem afro-latina, a cena cultural dos balls é explorada em diversos aspectos, tendo como foco alguns de seus personagens mais marcantes e suas formas de socialização. O filme é considerado um marco na visibilidade da população LGBT nos Estados Unidos e também internacionalmente, sendo pioneiro em mostrar a cultura vibrante e criativa da cena dos balls, posteriormente incorporada pela cultura pop norte-americana.

Durante o experimento cênico realizado no Sesc Pompeia, os depoimentos do filme são dublados ao vivo porperformers, invertendo a tradição de dublagens naqueles bailes. Aos poucos, a fala deixa de ser uma reprodução do áudio do filme para tornar-se, também, uma denúncia pessoal. A que sistemas de opressão as protagonistas do documentário eram submetidas e a quais ainda são até hoje? Os depoimentos dos próprios performers vão tomando a cena até que, ao fim do filme, a cena se transforme em um “ball“, colocando o palco em chamas: não apenas pela força da dança, das disputas, do verbo e da música, mas também pelo discurso urgente, inflamado e inflamável – prestes a explodir.

Ficha Técnica
Direção do filme: Jennie Livingston;
Direção do experimento cênico: Leonardo Moreira;
Assistência de direção: Aura Cunha e Thiago Amaral;
Edição de som: Confraria de Sons & Charutos;
Operação de som: Miguel Caldas;
Iluminação: Marisa Bentivegna;
Coordenação de vídeo: Laerte Késsimos;
Produção: Lara Lima | Lira Cinematográfica;
Elenco: Aretha Sadick, Danna Lisboa, Flavio Sales, Mackaylla Maria, Magô Tonhon, Marcio Telles, Marina Matheus, Renata Carvalho, Thiago Amaral, Ueriques Samuel.

Confira mais detalhes sobre a programação do bate-papo e do minicurso:

Bate-papo
O Discurso Queer no Cinema Brasileiro | com Cláudia Priscilla, Lufe Steffen e Mariana Baltar | mediação de Mateus Nagime
Dia 30 de setembro, sábado, das 19h às 20h30
Diálogo sobre as diferentes formas e caminhos do discurso e posicionamento político acerca de temáticasqueer, sexualidade homo e trans no cinema nacional, tanto no viés histórico como nos desafios que ainda permanecem.
Claudia Priscilla é cineasta e dirigiu os longas-metragens ‘A Destruição de Bernadet’ (2016), ‘Olhe Pra Mim de Novo’ (2011) e ‘Leite e Ferro’ (2010).
Lufe Steffen é jornalista e cineasta, assina a direção dos longas ‘São Paulo em Hi-Fi’  (2016) e ‘A Volta da Pauliceia Desvairada’ (2012). É autor de ‘O Cinema Que Ousa Dizer Seu Nome’, livro jornalístico no qual realiza entrevistas com diversos cineastas brasileiros que dirigiram filmes com temática LGBT.
Mariana Baltar é doutora em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense (UFF), onde desenvolveu a tese ‘Realidade Lacrimosa – diálogos entre o universo do documentário e a imaginação melodramática’. É professora do curso de cinema e audiovisual da UFF e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Cinema e Audiovisual (PPGCine – UFF). Coordena o Nex – Núcleo de Estudos do Excesso nas Narrativas Audiovisuais, onde desenvolve pesquisas nas áreas de gêneros narrativos, afeto, excesso e sexualidades.
Mateus Nagime possui graduação em Comunicação Social em Cinema pela UFF, e mestrado pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). É um dos curadores da mostra New Queer Cinema: Cinema, Sexualidade e Política e trabalha também como crítico. Atualmente, é secretário geral da Associação Brasileira de Preservação Audiovisual e atuou como pesquisador da Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM).
Local: Sala 1 – Oficinas de Criatividade. Livre. Grátis. Retirada de ingresso com uma hora de antecedência.

Minicurso
Personagem Homossexual, Transexual e Queer no Cinema Brasileiro | ministrado por Mateus Nagime
De 3 a 6 de outubro, terça a sexta, das 19h às 21h45
Abordagem da trajetória histórica de personagens homosseuxais, transexuais e queers no cinema brasileiro, focando tanto em personagens cuja sexualidade desviante é exposta plenamente em tela quanto em personagens moldadas através de estereótipos, mas traz a falta da sexualidade. Serão abordadas tanto as iniciativas pioneiras no cinema brasileiro como novas formas de encarar a questão no cinema contemporâneo, além de tópicos como a importância da autoria na criação desses personagens. Ainda que seja um curso voltado prioritariamente para o cinema, outras formas de audiovisual serão analisadas e debatidas, como programas de televisão (telenovelas, humorísticos, auditório, reality show, telejornais) e vídeos produzidos para internet.
Mateus Nagime possui graduação em Comunicação Social em Cinema pela UFF, e mestrado pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). É um dos curadores da mostra New Queer Cinema: Cinema, Sexualidade e Política e trabalha também como crítico. Atualmente, é secretário geral da Associação Brasileira de Preservação Audiovisual e atuou como pesquisador da Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM).

INSCRIÇÕES abertas na Central de Atendimento do Sesc Pompeia.
Número de vagas: 15.
Local: 8º andar – Conjunto Esportivo. Grátis. 

Serviço: 
Cinema Falado – 5ª edição
Experimento Cênico ‘Paris is Burning ao vivo’ | Teatro
Dias 29 e 30 de setembro, sexta e sábado – 21h
Dia 1º de outubro, domingo – 19h

Ingressos: R$ 9,00 (credencial plena/trabalhador no comércio e serviços matriculado no Sesc e dependentes), R$ 15,00 (pessoas com +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino) e  R$ 30,00 (inteira).
Venda online a partir de 19 de setembro, terça-feira, às 17h30.
Venda presencial nas unidades do Sesc SP a partir de 20 de setembro, quarta-feira, às 17h30.
Classificação indicativa: Não recomendado para menores de 16 anos.

Bate-papo ‘O discurso queer no cinema brasileiro’, com Cláudia Priscilla, Lufe Steffen, Mariana Baltar e Mateus Nagime | Sala 1 – Oficinas de Criatividade
Dia 30 de setembro, sábado – das 19h às 20h30
Grátis. Retirada de ingresso com uma hora de antecedência.
Classificação indicativa: Livre.

Minicurso ‘O personagem homossexual, transexual e queer no cinema brasileiro’, ministrado por Mateus Nagime| 8º andar – Conjunto Esportivo
De 3 a 6 de outubro, terça a sexta – das 19h às 21h45
Grátis. Inscrições abertas na Central de Atendimento do Sesc Pompeia.
Número de vagas: 15.

Sesc Pompeia – Rua Clélia, 93.
Não temos estacionamento. Para informações sobre outras programações, acesse o portal sescsp.org.br/pompeia

Anúncios