Netflix lança documentário sobre Laerte ainda este mês

A Netflix revelou a data de estreia de seu primeiro documentário brasileiro original, uma jornada por dentro da mente da cartunista Laerte Coutinho, uma das personalidades mais criativas do país, e chegará ao serviço de streaming em 19 de maio.

Laerte passou quase 60 anos se expressando e sendo identificada como homem, até que decidiu revelar sua identidade de mulher transexual. Uma das cartunistas mais reconhecidas do Brasil, Laerte teve três filhos e passou por três casamentos. O documentário da Netflix acompanha uma investigação sobre o mundo feminino na intimidade do cotidiano. Durante uma reforma em casa, Laerte se pergunta sobre se deve ou não fazer um implante de seios: a partir desta questão, desenrola-se uma série de questionamento sobre o que é, afinal, ser mulher.

Lygia Barbosa da Silva e Eliane Brum assinam a direção de Laerte-se, que tem o roteiro da dupla junto a Raphael Scire. A produção executiva é de Alessandra Côrte e Lygia Barbosa da Silva.

Laerte-se chega à Netflix em 19 de maio.

MAIS SOBRE LAERTE COUTINHO

Laerte  estudou comunicações e música na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, porém não se formou nestes cursos. Laerte participou de diversas publicações como a Balão e O Pasquim. Também colaborou com as revistas Veja e Istoé e os jornais Folha de S.Paulo e O Estado de S. Paulo. Criou diversos personagens, como os Piratas do Tietê e Overman. Em conjunto com Angeli e Glauco (e mais tarde Adão Iturrusgarai) desenhou as tiras de Los Três Amigos.

Em 2005, perdeu um de seus três filhos, Diogo, então com 22 anos, num acidente de carro.

Em entrevista à Folha de S.Paulo, em 2010, revelou porque abandonou alguns de seus personagens e optou pela prática pública do crossdressing, identificando-se como transgênero. Nessa nova fase, participando de vários programas e matérias na mídia imprensa e eletrônica. Já em 2012, tornou-se cofundadora de uma instituição voltada a pessoas com essa nuance de gênero, a ABRAT – Associação Brasileira de Transgêneras.

Em 2012, teve a residência roubada, e muitas de suas obras que estavam digitalizadas também foram levadas. Rafael Coutinho, seu filho, é também cartunista.

Via Omelete

Anúncios