A mensagem política por trás do show de Lady Gaga no Super Bowl

Lady Gaga deixou que sua própria música fosse seu ato político

gettyimages-633955408

O processo de candidatura do atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi marcado por diversos famosos usando suas vozes e sua arte para expressar o descontentamento com a situação. Lady Gaga, que é abertamente contra Trump e forte apoiadora da causa LGBT, fez o show do intervalo do Super Bowl, neste domingo (05), e não deixou de aproveitar a visibilidade para se expressar politicamente – mas não foram todos que perceberam isso.

Muitas pessoas, inclusive veículos de comunicação, falaram sobre a performance de Gaga frisando a não “pegada” política que a cantora deu à sua apresentação.

Na abertura da performance, Gaga cantou um trecho da música This Land Is Your Land, de Woody Guthrie, música ativista que fala de como o país é acolhedor e “de todos”, além de proclamar o juramento à bandeira dos Estados Unidos, que diz “uma nação, sob Deus, indivisível, com liberdade e justiça para todos”. Isso feito durante a semana que Trump decidiu banir a entrada de pessoas de sete países de maioria muçulmana nos EUA.

Seguindo isso, Lady Gaga cantou uma de suas músicas mais famosas, Born This Way.

Apresentar essa canção, que é um hino de auto-aceitação LGBT, em frente de uma plateia que inclui Mike Pence, vice-presidente dos Estados Unidos e um dos políticos atuais mais homofóbicos, é, além de necessário, um ato político! O verso “não importa se você é gay, hétero, bissexual, lésbico ou transgênero” marcou o Super Bowl por ser, de acordo com USA Today, a primeira vez que a palavra “transgênero” foi dita no palco da competição.

Via Estilo

Anúncios