‘Ball Culture’: a batalha de voguing da cena underground LGBT

Retratado no documentário "Paris is burning", a competição pode ter a modalidade "runaway" e uma performance de "voguing"

Ball é uma competição da cena underground LGBT dos Estados Unidos, que consiste em apresentações em discotecas, muitas vezes feitas por drag queens, de diferentes tipos e objetivos. Começou em Harlem há pelo menos 5 décadas e atualmente existem ballrooms em mais de 15 cidades dos Estados Unidos, a maioria na costa nordeste (Nova York, Newark, Jersey City, Filadélfia, Baltimore e Washington).

voguing madonna
Voguing Madonna

Entre as modalidades da competição, há uma onde os candidatos “caminham” como se estivessem em uma passarela de desfile (runaway) e outra onde se fazem uma performance de “voguing“. Os troféus geralmente têm formatos de bolas (“balls”, em inglês); daí o porquê do nome. Alguns troféus chegam a ter quase 4 metros de altura.

Festa Deck Knights

A maioria dos participantes das balls pertence a grupos conhecidos como houses. As houses são lideradas por “mães” e “pais”, fornecendo orientação e apoio para as “crianças” de suas casas. As houses ganhadoras de muitos troféus recebem o título de “legendary“. Entre as mais famosas estão a House of Ninja (fundada por Willi Ninja), House of Aviance (fundada por Madre Juan Aviance), Xtravaganza (fundada por Hector ‘Xtravaganza’ Valle), Infiniti, Mizrahi, LaBeija (fundada por Crystal LaBeija), House of Dupree (fundada por Paris Dupree), House of Amazon (fundada por Leoimy Maldonado), e House of Mugler. Normalmente, os membros da house adotam o nome de seu grupo como seu último nome.

Competidores de balls
Competidores de balls

Os critérios julgados são: habilidades performáticas (voguing), figurinos e atitude. Os participantes se vestem de acordo com a categoria em que estão competindo para reapresentar o universo apropriado. As balls são influenciadas pela moda e música hip hop. As competições podem durar até dez horas, com dezenas de categorias em uma só noite.

A “house ball culture” foi capturada pela primeira vez no documentário de Jennie Livingston, Paris is Burning (1990). Assista ao filme completo:


Sobre Paris Is Burning (resenha por Cineset)

Os filmes mais conhecidos sobre o “sonho americano” geralmente envolvem famílias brancas e predominantemente hétero (pode até ter um tio gay ou um amigo imigrante, geralmente tratados como esquisitões). Muito antes de essa fórmula invadir nove entre dez títulos “independentes” que surgem no Festival de Sundance, a cineasta Jennie Livingston levou às telonas um dos retratos mais dolorosos do real “sonho americano”, repleto de finais amargos e de histórias tão tristes quanto coloridas.

Dos filmes lançados nos anos 1990, poucos foram tão merecedores do título de ‘divisor de águas’ quanto “Paris Is Burning”. O documentário usa seus 71 minutos para sintetizar o universo LGBT, com o pano de fundo dos tradicionais concursos de drag queen que animavam as boates de Nova York na década de 1980.

O que poderia ser um filme com valor institucional e enfadonho ganha vida graças às personagens entrevistadas por Jennie. Não é difícil se encantar pela honestidade desconcertante de Pepper LaBeija, que, famosa há duas décadas à época do filme, se sente responsável pelos mais jovens. Quando Pepper diz que a América é “branca” e que os negros têm aprendido a sobreviver há 400 anos, vemos o pouco que evoluímos como seres humanos no último quarto de século.

É interessante notar que “Paris is Burning” estreou quase que ao mesmo tempo que “Na Cama com Madonna”, documentário sobre a estrela-maior da época, que fez do “voguing” (dança popularizada nos bailes mostrados no filme de Livingston) um sucesso pop, com refrão e coreografia. No filme de Madonna, temos os dançarinos (gays e negros) do corpo de baile de artista quase que como uma extensão dos personagens sofridos de “Paris Is Burning”. Os dois filmes conversam entre si, ainda que o documentário sobre a cultura dos bailes seja mais substancial em sua mensagem.

Substância essa que vem muito da espontaneidade. “Paris Is Burning” é informal na mesma proporção em que “Na Cama com Madonna” parece roteirizado até o último fio de cabelo. Vemos os entrevistados no meio da rua, dando seus depoimentos à câmera ao mesmo tempo em que conversam com as pessoas que vão passando; somos convidados ainda aos camarins onde os artistas se preparam e às salas onde eles costuram suas roupas. Isso confere uma intimidade quase que imediata e faz dos depoimentos mais simples verdadeiras confissões.

Espertamente, o contraponto com os depoimentos íntimos e com a “irmandade” dentro dos salões de baile é feito com imagens de héteros cis andando nas ruas, com suas roupas extravagantes dos anos 1980 e músicas dançantes como “Got to Be Real” ao fundo. Ainda que alguns personagens pontuem em depoimentos, não é preciso muito para entender que aquele mundo “exterior” não pertence a eles. “É como atravessar o País das Maravilhas. Você entra [no ballroom] e se sente bem. Deveria ser assim no mundo”, diz um personagem logo ao início da projeção.

26 anos depois de seu lançamento, “Paris Is Burning” tem poucos sobreviventes em seu elenco. Pode não ter sobrado muito do filme no plano “físico”, mas, no cinema independente, ele deixou um legado que deveria ser revisitado por aqueles que querem entender o que é esse tal “sonho americano”.

Voguing
Anúncios