A Paris de Danuza Leão

Paris é cidade europeia predileta da cidadã do mundo Danuza Leão. E fica fácil entender por que lendo os trechos desse roteiro particular e cheio de charme

Ah, Paris. Desde que pus os pés em Paris pela primeira vez, soube que iria amá-la até o fim dos meus dias. Minha história com a cidade começou muito cedo e marcou minha vida para sempre; a primeira vez, eu tinha 17 anos e morei lá por dois; depois voltei, aos 30, e fiquei cinco anos.

Livro: Fazendo as Malas

Meu quartier amado vai da Rue du Dragon até o Odéon (em Saint-Germain). Por que “meu quartier amado”? Primeiro porque ando de um lado para outro, a pé, não tenho que reservar o restaurante e a isso chamo liberdade, coisa que prezo muito.

Livro “Fazendo as malas”, de Danuza Leão

Flore é o melhor café que existe; lá você pode sentar com um jornal ou um livro, pedir um café e ficar o dia inteiro, sem ninguém te incomodar. Os sanduíches são ótimos, tem todo tipo de vinho e champanhe, que se pede por copo.

Ao lado tem uma livraria maravilhosa, a La Hune, aberta até a meia-noite. E atenção: a metros de distância há outro café, o Deux Magots, bem parecido com o Flore, mas em Paris é preciso escolher: ou você é Flore ou você é Deux Magots. Eu sou Flore.

Paris, por Danuza Leão

Se bater uma fome pequena, você resolve seu problema ali mesmo, mas, se for daquelas maiores, é só atravessar a rua e entrar no Chez Lipp, a brasserie mais tradicional de Paris, que existe desde 1880.

O Welcome, hotel em que me hospedo há 20 anos, é até simples demais. O quarto é mínimo, não tem frigobar, mas em compensação sou tratada como uma rainha. Fica bem na esquina da Rue de Seine com o Boulevard Saint-Germain, e lugar melhor eu não conheço. Grudada à parede do hotel existe uma casa de queijos, a seguir uma tabacaria, uma casa de chocolates e o Da Rosa, espanhol com deliciosas tapas, uma farmácia e logo depois um mercado de legumes e frutas da época. Compro sempre um punhado de cerejas e levo para comer no quarto.

Do outro lado da rua, um enorme supermercado. Logo depois é o Chez Paul, uma casa de chá onde se comem os melhores croissants e brioches da cidade. Já estamos na esquina da Rue de Buci. Virando à direita e atravessando a rua, temos o pâtissier, a lojinha de foie gras, outra de meias, uma livraria de arte, um pequeno restaurante chinês onde você come por 15 euros – com o vinho incluído.

E ali perto fica o Carrefour de l’Odéon, onde poderá escolher entre uns 15 filmes. Na região está ainda um dos mais belos jardins de Paris, o Luxembourg, sempre um passeio deslumbrante. E, descendo a Saint-Michel, você pode ir até o Sena, caminhar pela margem, vendo em frente a Notre Dame e guardando no coração esse momento precioso.

iconLivro “De Malas Prontas”, de Danuza Leão
icon

COMIDINHAS

Se quer comer uma coisinha ligeira, vá ao Da Rosa, na Rue de Seine. Lá você escolhe porções de salmão defumado, uma das diversas qualidades de presunto, inclusive o bellota, gaspacho, pedaços de parmesão para molhar no vinagre balsâmico, salada, risotos, chouriço, tudo é de matar, de tão bom. E isso rapidinho, com um copo de vinho, e bem barato.

Outro bistrô que frequento porque é um bistrô de verdade, não globalizado, é o Vins & Terroirs, na Rue Saint André des Arts. O lugar é pequeno, aconchegante, o patron vem à mesa aconselhar o vinho, é uma delícia total. E tem também o Les Éditeurs, no Carrefour de l’Odéon, rodeado de estantes, onde você pode sentar e ficar horas lendo o livro que escolher, tomando um copo de vinho bem devagar. Tem uma sobremesa quente de chocolate, que vem acompanhada de um sorvete de rosas que é um espetáculo. Recomendo.

Atravesse a pé os lindos jardins das Tulherias (atrás do Louvre) e vá até as arcadas da Rue de Rivoli. Procure o número 226; é o Angelina, uma casa de chá que existe desde 1903, onde você vai tomar o melhor chocolate do mundo: denso, cremoso, divino. Para acompanhar, um mont-blanc, creme de castanha, com bastante chantilly, um delírio. Só aí devem ser umas 5 mil calorias, mas tudo bem.

Galeriea Vivienne, Place des Vosges e Notre Dame: até o óbvio é mais charmoso em Paris.

COMPRINHAS

Se quer comprar os mais sensacionais sapatos de Paris, vá direto à Rue de Grenelle. Lá, ou nas ruas vizinhas, estão as principais grifes. Mas, se você quiser sapatos com preços mais acessíveis, aconselho percorrer a Rue du Four e a Rue de Rennes.

A minha butique preferida ultimamente é a Yuki Torii, escondida na Galerie Vivienne, perto da Place des Victoires. Já as lojas vintage são caras. Uma das mais famosas, no Palais Royal, é a de Didier Ludot, mas prepare seu cartão de crédito.

Na Rue des Rosiers (a rua é pequena, você encontra logo), há um brechó sem nome, que tem escrito em cima “Coiffeur” (cabeleireiro). A média de preço dos vestidos, casacos, saias, blusas, suéteres é 5 euros. É, 5 euros. Não tem uma vez que eu vá a Paris e não dê minha passada pela Rue des Rosiers. E volto sempre com um pacotinho.

Não sei bem por quê, mas sempre deixo para ir à Place des Vosges aos domingos. Construída em 1600, é a mais antiga da cidade; lindamente simétrica, suas casas são todas iguais, e uma arcada a circunda. Ali moraram Victor Hugo e o cardeal Richelieu, e aos domingos tem sempre música. Dê um grande passeio sob a arcada; você vai encontrar a butique de Issey Miyake, a Mademoiselle Vegas, definitivamente rock’n’roll, onde poderá fazer uma tatuagem (fake). Também poderá comer um peixe ou uma carne por 10 euros no Le Rouge-Gorge ou comprar a bolsa dos seus sonhos na L’Echoppe à Sacs.

COMPRE O LIVRO “DE MALAS PRONTAS”, DE DANUZA LEÃO, CLICANDO NA IMAGEM ABAIXO (http://bit.ly/livrodemalasprontas)

icon
icon

Anúncios